quarta-feira, 20 de julho de 2011

Samba Democrático

É assim, usando da democracia, que Dani Turcheto faz a venda de seus dois discos. São disponibilizados nos moldes do projeto, do qual é idealizador, "Quanto Vale ?", onde o internauta baixa o disco no site, ouve e se gostar, volta e paga o quanto acha que vale aquela arte.

Visite o site e baixe o CD: http://daniturcheto.com.br

Adota a mesma estratégia em seus shows, juntamente com sua trupe "Coletivos Navegantes"  no "Quanto Vale uma Canção ?" deixando o espectador decidir o quanto acha que deve pagar pelo show, detalhe, na saída.

Maiores informações sobre os projetos podem ser encontradas diretamente nos sites:

http://coletivonavegantes.com.br/blog/projetos-culturais/quanto-vale/

http://www.quantovaleumacancao.com.br/?p=1167


O "Quanto Vale uma Canção ?"acontece amanhã, dia 21/07/2011 no Teatro da Vila, como mostra o cartaz abaixo:



Essa forma de venda vem acontecendo pois acredita-se na conscientização do espectador e do fã que consome música e arte no geral. Onde o que se busca é jogar com a questão do valor pessoal de cada coisa para cada indivíduo, livrando-os de uma certa "imposição" financeira de comprar ou não.


Confira e veja o quanto vale pra você...

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Samba de Todos os Tempos



Resistente, persistente e resiliente





O Projeto Samba de Todos os Tempos está de volta e ontem, em sua terceira semana de retorno, homenageou os compositores que participaram do projeto.

Para quem ainda não conhece o projeto, trata-se de um núcleo de compositores, músicos, amigos e simpatizantes do samba, a mais autêntica expressão da música popular brasileira. O projeto cultural foi fundado em 17 de outubro no ano de 2004 na cidade de São Paulo, no Bairro de Santo Amaro, zona sul da Capital.

O principal propósito é promover permanentemente o verdadeiro samba brasileiro criando oportunidades para os compositores da comunidade e também estimular o surgimento de novos compositores, sobretudo entre os mais jovens.

Visando reverenciar e manter viva a história do samba e de seus grandes mestres, onde procura-se colocar em prática através de eventos periódicos onde eles são homenageados com a interpretação de suas obras, divulgação de suas biografias e exibição de vídeos.
 
A noite de ontem foi vibrante, regada de excelentes sambas, belas melodias e composições de primeira qualidade, marcada pela alegria e harmonia.

Além dos músicos, compositores, co-irmãos de outras comunas e amigos presentes, estiveram lá alguns estudantes, fazendo tomadas de vídeo para um longa metragem que será objeto do TCC deles e que pelo registro, posteriormente, certamente fará parte do acervo do projeto.

Para quem ainda não conhece, vale a pena a visita. Para quem já é da casa, vale a ida para quebrar a semana, cantar, sambar e espairar um pouco as idéias.


Aconte todas as 4ªs feiras no Bar Bodega - Av. Santo Amaro, 6899.


Até lá. Abração.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Sesc TV apresenta a série Comunas do Samba

Retirado do Agenda do Samba & Choro

Por Jose Antonio Valois


Em janeiro de 2010 o Sesc Pompéia fez um projeto denominado COMUNAS DO SAMBA.
A idéia era que comunidades do samba de São Paulo fizessem uma apresentação com artistas convidados.
A rede SESC TV exibirá estes shows em sua programação (canal 3 da SKY e 137 da NET) - veja a relação completa da programação abaixo:

FEVEREIRO/2011

Comunas do Samba – Tias Baianas Paulistas: participação Dona Inah
Dia 09, quarta-feira às 22:00hs
Dia 10, quinta-feira às 02:00hs e às 16:00hs
Dia 11, sexta-feira às 10:00hs
Dia 12, sábado às 19:00hs
Dia 13, domingo ás 03:00hs, 16:00hs e 23:00hs

Comunas do Samba – Pagode do Cafofo & Maurílio Oliveira
Dia 16, quarta-feira às 22:00hs
Dia 17, quinta-feira às 02:00hs e às 16:00
Dia 18, sexta-feira às 10:00hs
Dia 19, sábado às 19:00hs
Dia 20, domingo às 03:00hs, 16:00hs e 23:00hs

Comunas do Samba – Samba da Laje: participação Serginho Meritti
Dia 23, quarta-feira às 22:00hs
Dia 24, quinta-feira às 02:00hs e às 16:00hs
Dia 25, sexta-feira às 10:00hs
Dia 26, sábado às 19:00hs
Dia 27, domingo às 03:00hs, 16:00hs e domingo 23:00hs

MARÇO/2011

Kolombolo Diá Piratininga: participação Thobias da Vai-Vai
Dia 02, quarta-feira às 22:00hs
Dia 03, quinta-feira às 02:00hs e às 16:00hs
Dia 04, sexta-feira às 10:00hs
Dia 05, sábado às 19:00hs
Dia 06, domingo às 03:00hs, 16:00hs e 23:00hs

Comunidade do Samba Passado de Glória: participação Wilson Moreira
Dia 9, quarta-feira às 22:00hs
Dia 10, quinta-feira às 02:00hs e 16:00hs
Dia 11, sexta-feira às 10:00hs
Dia 12, sábado às 19:00hs
Dia 13, domingo às 03:00hs, 16:00hs e ás 23:00hs

Roda de Samba Ouro Verde: participação Nelson Sargento
Dia 16, quarta-feira às 22:00hs
Dia 17, quinta-feira às 02:00hs e às 16:00hs
Dia 18, sexta-feira às 10:00hs
Dia 19, sábado às 19:00hs
Dia 20, domingo às 03:00hs, 16:00hs e 23:00hs

Núcleo de Samba Cupinzeiro: participação Amélia Rabelo
Dia 23, quarta-feira às 22:00hs
Dia 24, quinta-feira às 02:00hs e às 16:00hs
Dia 25, sexta-feira às 10:00hs
Dia 26, sábado às 19:00hs
Dia 27, domingo às 03:00hs, 16:00hs e 23:00hs

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Blog do GUDIN




Com a intenção de criar um elo mais próximo ao seu grande público, Eduardo Gudin - o alemão, e seu pessoal nota 10, lançam seu blog...recheado de história, cultura e música boa !!!

Além do blog seguir o capricho das composições desse fera renomado do samba paulistano...

Curtam e acompanhem...






Uma revista eletrônica que revele a trajetória artística de um importante compositor da música brasileira: EDUARDO GUDIN.

Esta é a proposta deste blog. Eduardo Gudin é um compositor, cantor, arranjador, violonista e letrista com mais de 40 anos de carreira (afinal, ele começou aos 16!). Parceiro de nomes como Paulinho da Viola, Paulo Vanzolini, Paulo César Pinheiro, Elton Medeiros, Nelson Cavaquinho, Toquinho, Caetano Veloso, Arrigo Barnabé, José Carlos Costa Netto, Roberto Riberti, Adoniran Barbosa, dentre outros, Gudin tem músicas gravadas por inúmeros intérpretes e grupos: Beth Carvalho, Originais do Samba, Clara Nunes, MPB4, Leila Pinheiro, Vânia Bastos, Fátima Guedes, Dona Inah, Elza Soares, Márcia, Gal Costa e tantos outros colegas.
São de Eduardo Gudin, por exemplo, as músicas "Verde" e "Paulista" (com Costa Netto), "Maior é Deus", "E lá se vão meus anéis" e "Mordaça" (com Paulo César Pinheiro), "Ainda Mais" (com Paulinho da Viola) e "Mente" (com Paulo Vanzolini). Acompanhem-nos por essa verdadeira viagem musical!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O SAMBA PEDE PASSAGEM







Antecipando o carnaval.....roteiro cultural de primeira !!!


Local: Galeria Olido. Cine Olido. Centro. De 19 a 31. +10 anos. R$ 1.


A mostra antecipa a chegada do carnaval. A programação abrange desde as clássicas chanchadas produzidas nos anos 50, passando por documentários biográficos e registro de shows, chegando aos filmes de ficção nos quais o samba é uma das personagens. O espectador terá oportunidade de conferir títulos pouco exibidos até mesmo no circuito dos cineclubes paulistanos.

Todas as projeções têm suporte em DVD.
| Retirar ingresso uma hora antes.

DIÁRIO DE NANÁ
(Brasil/SP, 2006, 60 min). Dir.: Paschoal Samora.
O percussionista Naná Vasconcelos pesquisa a música e a cultura do Recôncavo Baiano.
| Dia 19, 15h. Dia 26, 17h

O MISTÉRIO DO SAMBA
(Brasil/RJ, 2008, 100 min). Dir.: Carolina Jabor e Lula Buarque de Holanda.
História da Velha Guarda da Portela e seu cotidiano.
| Dia 19, 17h. Dia 26, 19h30

A LIRA DO DELÍRIO
(Brasil/RJ, 1978, 105 min). Dir.: Walter Lima Júnior. Com Anecy Rocha, Cláudio Marzo, Paulo César Pereio e outros.
No intervalo entre dois carnavais de um mesmo bloco de Niterói, uma dançarina se envolve com um amante rico e ciumento.
| Dia 19, 19h30. Dia 26, 15h

Curta O Samba 1

O DIA EM QUE MACUNAÍMA E GILBERTO FREYRE VISITARAM O TERREIRO DE TIA CIATA E MUDARAM O RUMO DA HISTÓRIA (O SAMBA MANDOU ME CHAMAR)
(Brasil/SP, 1998, 20 min). Dir.: Sérgio Zeigler e Vitor Ângelo. Com Zezé Motta, Pacoal da Conceição, Leonardo Medeiros e outros.
Personagens fictícios ou históricos recontam o nascimento de uma nação.

OPERAÇÃO MORENGUEIRA
(Brasil/RJ, 2005, 16 min). Dir.: Chico Serra.
Após invasão da Lapa por um bando de terroristas, boêmio tem uma visão mediúnica do sambista Kid Morengueira, quem lhe confere a missão de restaurar a ordem no lugar.

COM QUE ROUPA?
(Brasil/RJ, 1996, 18 min). Dir.: Ricardo van Steen. Com Cacá Machado, Sérgio Mamberti, Adriana Lessa e outros.
Um dia na vida de Noel Rosa, autor do samba clássico Com que roupa?, em meio a brigas de bar, problemas de saúde e desencontros com a namorada.

POLÊMICA
(Brasil/RJ, 1999, 21 min). Dir.: André Luiz Sampaio. Com Aber Jr., Paulo Felipe, José Marinho e outros.
Dupla de vagabundos recebe os espíritos de Noel Rosa e Wilson Batista. Incorporados, à solta no carnaval carioca, revivem a rivalidade polêmica existente entre os dois compositores durante os anos 30.
| Exibições seguidas. Dia 20, 15h. Dia 27, 19h30

Curta O Samba 2

JORJÃO
(Brasil/RJ, 2005, 18 min). Dir.: Paulo Tiefenthaler.
Perfil do mestre Jorjão, diretor de bateria de escolas de samba.

BATUQUE NA COZINHA
(Brasil/RJ, 2004, 19 min). Dir.: Anna Azevedo.
A vida de três mulheres da Velha Guarda da Portela, conhecidas e respeitadas no mundo do samba.

NELSON SARGENTO
(Brasil/RJ, 1997, 22 min). Dir.: Estevão Ciavatta.
Retrato biográfico do sambista Nelson Sargento durante uma visita ao Morro da Mangueira.

GERALDO FILME
(Brasil/SP, 1998, 58 min). Dir.: Carlos Cortez. Com Leonardo Medeiros e Geraldo Filme.
Os universos do samba e da cultura negra paulista revividos por meio da obra do compositor Geraldo Filme.
| Exibições seguidas. Dia 20, 17h. Dia 27, 15h

O CATEDRÁTICO DO SAMBA
(Brasil/SP, 1999, 23 min). Dir.: Alessandro Gamo e Noel Carvalho.
Perfil do cantor e compositor paulistano Germano Mathias.
SAMBA RIACHÃO
(Brasil/Bahia, 2001, 86 min). Dir.: Jorge Alfredo.
Documentário sobre o sambista Riachão, figura notória do samba baiano, que influenciou várias gerações de músicos, cantores e compositores, mas sempre esteve à margem da indústria fonográfica.
| Exibições seguidas. Dia 20, 19h30. Dia 27, 17h

ASSIM ERA A ATLÂNTIDA
(Brasil/RJ, 1975, 105 min). Dir.: Carlos Manga.
Documentário sobre as chanchadas do tempo da Atlântida, constituído a partir de cenas, restauradas, de filmes que a empresa conservava em seu arquivo. Entremeando as imagens, foram inseridos depoimentos de artistas.
| Dia 21, 15h. Dia 28, 19h30

CARNAVAL ATLÂNTIDA
(Brasil/RJ, 1952, 92 min). Dir.: José Carlos Burle. Com Oscarito, Grande Otelo, Eliana e outros.
Especialista em mitologia grega é contratado como consultor pelo produtor Cecil B. de Milho, para uma adaptação cinematográfica do clássico Helena de Tróia. Ao mesmo tempo, dois empregados do estúdio sonham em transformar o épico grego em uma comédia carnavalesca.
| Dia 21, 17h. Dia 28, 15h

SAMBA LENÇO – A MEMÓRIA ESTÁ NO CORPO
(Brasil/SP, 2009, 20 min). Dir.: Ana Paula Quintino.
Diogo é integrante de uma família que preserva a memória da cultura africana por meio do toque, canto e dança do samba de lenço.

OSVALDINHO DA CUÍCA – CIDADÃO SAMBA
(Brasil/SP, 2008, 50 min). Dir.: Toni Nogueira, Simone Soul e Osvaldinho da Cuíca.
Nascido em pleno carnaval, Osvaldinho demonstra seu talento, dançando e tocando vários instrumentos, enquanto apresenta personagens e fatos marcantes da história do samba paulista.
| Exibições seguidas. Dia 21, 19h30. Dia 28, 17h

SARAVAH
(Brasil/RJ, 1969, 93 min). Dir.: Pierre Barouh.
Registro da viagem do diretor francês Pierre Barouh ao Brasil. Em fevereiro de 1969, ele desembarcou no Rio de Janeiro para gravar alguns momentos da música brasileira, com nomes como Pixinguinha, João da Baiana, Maria Bethânia, Paulinho da Viola e Baden Powell.
| Dia 22, 15h. Dia 29, 19h30

ORFEU DO CARNAVAL
(França, 1958/1959, 100 min). Dir.: Marcel Camus. Com Breno Mello, Marpessa Dawn, Lourdes de Oliveira e outros.
Orfeu, condutor de bonde e sambista que mora no morro, se apaixona por Eurídice, uma jovem do interior que chega ao Rio de Janeiro fugindo de um estranho. A moça desperta o ciúme da namorada de Orfeu. Adaptação da peça teatral escrita por Vinicius de Moraes. Produção ganhadora do Oscar de melhor filme estrangeiro e que tem em sua trilha a célebre canção Manhã de carnaval, de Luiz Bonfá.
| Dia 22, 17h. Dia 29, 15h

ORFEU
(Brasil/RJ, 1999, 110 min). Dir.: Carlos Diegues. Com Toni Garrido, Patrícia França, Murilo Benício e outros.
Adaptação atualizada da peça de Vinicius de Moraes sobre um compositor de escola de samba do Rio de Janeiro que se apaixona por uma garota recém-chegada ao morro. Nesta versão, o submundo do tráfico também é enfocado.
| Dia 22, 19h30. Dia 29, 17h

NOEL - POETA DA VILA
(Brasil/SP, 2006, 90 min). Dir.: Ricardo van Steen. Com Rafael Raposo, Camila Pitanga, Flávio Bauraqui e outros.
A trajetória de Noel Rosa, um dos maiores compositores brasileiros, que trocou a faculdade de Medicina pelo samba e pela boemia carioca, na década de 20. Famoso aos 19 anos de idade, morreu de tuberculose aos 26 anos, deixando um legado com mais de 300 composições.
| Dia 23, 15h. Dia 30, 17h

CARTOLA – MÚSICA PARA OS OLHOS
(Brasil/RJ, 2006, 85 min). Dir.: Lírio Ferreira e Hílton Lacerda.
A história de Cartola, um dos sambistas mais importantes da música brasileira, fundador da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira.
| Dia 23, 17h. Dia 30, 19h30

PAULINHO DA VIOLA, MEU TEMPO É HOJE
(Brasil/RJ, 2002, 83 min). Dir.: Izabel Jaguaribe.
Registro afetivo do cantor, instrumentista e compositor Paulinho da Viola.
| Dia 23, 19h30. Dia 30, 15h

NEM SANSÃO NEM DALILA
(Brasil/RJ, 1954, 90 min). Dir.: Carlos Manga. Com Oscarito, Fada Santoro, Cyll Farney e outros.
Por intermédio de uma máquina do tempo, barbeiro simplório é transportado para a antiguidade é confundido com o poderoso Sansão. Lá, ele tem que lidar com as manobras de poder dos políticos que procuram, por meio da sedutora Dalila, tirar-lhe as forças.
| Dia 24, 15h. Dia 31, 17h

GAROTAS E SAMBA
(Brasil/RJ, 1957, 102 min). Dir.: Carlos Manga. Com Renata Fronzi, Adelaide Chiozzo, Sônia Mamede e outros.
Duas amigas do interior sonham em fazer sucesso no rádio e nas boates cariocas. Vão morar em uma tradicional pensão de moças, controlada por uma solteirona puritana e complexada. Tudo se complica quando uma das amigas se apaixona por um galã de rádio.
| Dia 24, 17h. Dia 31, 15h

terça-feira, 21 de julho de 2009

Memória do Samba Paulista







Nesta semana acontece o lançamento de um trabalho maravilhoso: uma série de doze CDs da coleção Memória do Samba Paulista. Serão lançados esta semana os primeiros quatro, que chegam ao mercado pela associação das entidades culturais Kolombolo Kolombolo e Sambatá, distribuído pela Tratore e com produção dos músicos T. Kaçula e Renato Dias.





Sambatá é uma entidade sem fins lucrativos que tem como propósito preservar e difundir a ascendência africana como fator determinante no universo da cultura brasileira. É dirigida pelo músico Guga Stroeter e pela produtora Gisela Moreau. Kolombolo visa divulgar o samba paulista como uma das identidades do seu povo e, para isso, desenvolve atividades culturais e educativas que têm como centro a arte e a conquista da cidadania. É liderado pelo músico Renato Dias, a produtora Lígia Fernandes e o historiador Max Fraoendorf.


Os próximos lançamentos são os discos da Velha Guarda da Vai-Vai, da Nenê de Vila Matilde, da Rosas de Ouro e da Vila Maria e também dos compositores Ideval e Zelão.


Abaixo um pouco sobre cada CD:


Embaixada do Samba Paulistano
– Fundada em 1995, na sede da União das Escolas de Samba Paulistanas, numa iniciativa de Mestre Gabi, Toniquinho Batuqueiro, Hélio Bagunça, Paulão da Lapa e Fernando Penteado, para preservar aspectos do carnaval paulistano. Entre outras atividades, a Embaixada é responsável por indicar e avaliar os possíveis candidatos a Cidadão e Cidadã do samba de São Paulo, um concurso anual que acontece desde os anos 70. Hoje tem mais de 20 integrantes de diferentes Velhas Guardas de São Paulo.

No repertório do CD, O Samba através dos Tempos – Biografia do samba (Talismã e Tabu), Meu sabiá (Mestre Feijoada), Cabaré (Ideval e Zelão), Avanço da tecnologia (Paulão da Lapa e Wilson Passarinho) e um pot-pourri com uma série de sambas de bumbo, uma das raízes do samba paulista.


Velha Guarda Unidos do Peruche
- A zona norte de São Paulo concentra grande número de agremiações carnavalescas, mas nem sempre foi assim. Na década de 40, lembra Carlos Alberto Caetano, o Carlão do Peruche, fundador da escola, havia apenas uma escola de samba no Parque Peruche, a Ritmos do Morro. Moradores da Casa Verde, Limão e Parque Peruche, se quisessem participar das grandes festas e desfiles, precisavam sair do bairro para ir até as escolas Lavapés, Garotos do Itaim e Campos Elíseos, por exemplo.

Carlão participava ativamente da Lavapés até desentender-se com a diretoria da escola e fundar, em 1955, a sua Unidos do Peruche. No CD, intérpretes se revezam para mostrar obras e relembrar os baluartes que fizeram história nessa comunidade, dentre eles, Geraldo Filme (Tradição e Festas de Pirapora), Carlão do Peruche (Repicar dos Tamborins), Geraldo Filme e Narciso Lobo (Avante Mocidade) e Fernando ‘Cabelo’ (Argumento).


Tias Baianas Paulistas
- O grupo foi idealizado por Valter Cardoso, o Valtinho das Baianas, entre 1994 e 1995, com integrantes das escola Nenê de Vila Matilde, Camisa Verde e Branco e Vai Vai, com o objetivo de valorizar a história e o papel das baianas nos desfiles e no dia-a-dia das agremiações.

Ao mesmo tempo, Valtinho possibilitou ao grupo ter um espaço para desenvolver atividades à parte das escolas, onde as Tias Baianas pudessem mostrar suas habilidades pessoais, aprender mais sobre suas funções no carnaval, discutir as condições de desfile, promover apresentações como um grupo vocal e um símbolo do samba.


No repertório, Samba sem sambista (Thiago Barroca), Marinheiro Só (Caetano Veloso) e Bumbo de Pirapora (T. Kaçula e Renato Dias).


Toniquinho Batuqueiro
– Nascido Antônio Messias de Campos, em 1929, em Piracicaba (SP), foi lá que ganhou o nome artístico e também aprendeu com tambuzeiros e curuzeiros sobre batucada, ginga e verso. Aos 10 anos, veio morar na zona norte de São Paulo (Parque Peruche), onde, mais tarde, conheceu outros sambistas e passou a circular em rodas de samba e de tiririra, principalmente no centro da cidade, onde trabalhava como engraxate.

Sua originalidade e a de seus contemporâneos, como Geraldo Filme e Zeca da Casa Verde, foi reconhecida pelo escritor e dramaturgo Plínio Marcos, que os convidou para fazer a trilha sonora dos espetáculos Balbina de Iansã (1970) e Plínio Marcos em Prosa e Samba – Nas Quebradas do Mundaréu, lançados em LP posteriormente.


Além de seu samba com forte influência da música rural, Toniquinho obteve sucesso como compositor de sambas de quadra e de enredo. Fez história na Rosas de Ouro, Unidos do Peruche e Unidos de Vila Maria.


A vivência com o samba paulistano, mesclada ao sotaque rural de sua música, compõem o repertório deste seu primeiro disco solo, que tem músicas próprias como Marra no mourão, Ditado antigo, Pé de serra, A pontinha, Sá dona (esta em parceria com Geraldo Filme).


Notem a barbaridade: um compositor do naipe de Seu Toniquinho Batuqueiro, aos oitenta anos, não ter um CD solo... felizmente isso mudou. Parabéns a todos os responsáveis por esse
belíssimo projeto.


Shows:


23/07, quinta, 21 h - Embaixada do Samba Paulista

24/07, sexta, 21 h – Velha Guarda da Unidos do Peruche
25/07, sábado, 21 h – Tias Baianas Paulistas
26/07, domingo, 19h30 – Toniquinho Batuqueiro


Ingressos: R$ 16; R$ 8 e R$ 4. Faixa etária: 12 anos – Sesc Santana: Av. Luiz Dumont Villares, 579, tel. (11) 2971-8700.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

A roda de samba e de saberes

Retirado do Jornal da UNICAMP



Músico mostra origem, organização e rituais
de grupos de resistência ao pagode midiático




Na década de 1990, ao mesmo tempo em que o samba ganhava grande inserção nos meios de comunicação de massa – transformando-se no que hoje é rotulado de pagode midiático –, surgiam grupos de resistência para lembrar que o gênero está carregado de memória a ser preservada. “O pagode não deixa de ser samba, mas o que vemos é uma diluição da sua temática, como a banalização do amor. O negro sempre usou o samba para falar dos seus problemas na sociedade, e também do amor, mas com dignidade”, afirma Eduardo Conegundes de Souza.

Violonista e cavaquinista, Eduardo, o Edu de Maria, é autor da dissertação de mestrado “Roda de samba: Espaço da memória, educação e sociabilidade”, apresentada na Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, com a orientação da professora Olga von Simson. Na pesquisa, ele mostra a importância das rodas de samba no resgate das tradições e da memória cultural em dois núcleos da periferia da Grande São Paulo: o Morro das Pedras, no bairro São Mateus, e o Projeto Nosso Samba, em Osasco.

“Meu trabalho não trata do samba enquanto gênero musical, mas como manifestação cultural. Nas rodas de samba as pessoas se encontram em torno da música e também da comida, da dança e do próprio debate sobre o gênero. Por isso menciono a sociabilidade”, explica Edu de Maria, que participou da criação em Campinas do Núcleo de Samba Cupinzeiro, ligado ao Centro de Memória da Unicamp (CMU).

O Cupinzeiro, segundo o músico, desenvolve um trabalho relacionado com a educação não-formal, preocupado com a transmissão da memória do samba. “Quando formamos o núcleo ainda não conhecia essas comunidades, que têm uma atuação semelhante. Fiquei atraído com o diálogo entre as pessoas na roda. Elas não se reúnem para cantar, tocar e dançar por puro entretenimento, também têm a intenção de transmitir o conhecimento”.



Acesse: Núcleo de Samba Cupinzeiro



Edu de Maria explica que o samba, sendo uma manifestação que vem desde o período colonial, traz muito da memória afro-brasileira, remetendo o tempo todo a esta tradição, seja nas letras ou na própria manifestação em si. “O samba se constitui de formas variadas que resultaram de determinados contextos sociais. Temos os negros que chegaram à Bahia e ali desenvolveram suas tradições, assim com os que aportaram no Sudeste e passaram por outras formas de convívio”.

Na dissertação, o músico discorre sobre o chamado samba rural paulista, caracterizado por manifestações que ainda se mantêm. Uma delas é o samba de bumbo, marcado pelo tambor que lhe dá o nome, versos de improviso e duas fileiras de integrantes que dançam em conjunto. “Seus integrantes denominam essa manifestação como samba de roda, embora este seja um termo recorrente para o samba da Bahia”.

Também é próprio do Estado de São Paulo o batuque de umbigada. O samba é marcado pelo tambu, um tambor escavado em tronco de árvore e tocado com a matraca (dois pedaços de madeira), e ainda pelo quinjengue, tambor em forma de taça. Outra manifestação tradicional, o samba-lenço, é uma variação do samba de bumbo, mas com um dançar diferente, em que cada participante traz um lenço que orienta a coreografia.

“Vemos então que existe uma ligação com o samba da Bahia, que chega a São Paulo para gerar formas híbridas de manifestação”, observa Edu de Maria. A hipótese para justificar esta mistura, de acordo com o músico, é a ocorrência de um grande fluxo de negros do Nordeste para cá, depois da proibição do tráfico de escravos da África em 1850. “Aqui já havia o jongo, vindo com os primeiros africanos à região”.

Repertório – Envolvido desde a graduação com projetos de educação musical, Edu de Maria quis comprovar na pesquisa que grupos como o Morro das Pedras e o Projeto Nosso Samba formam espaços de educação não-formal – aquela que não fica na mera informalidade, pois possui determinado grau de intencionalidade na transmissão e sobretudo na construção do conhecimento.

“A educação não-formal não se opõe à escolar, mas difere nos modos de organização e sistematização dos saberes, com a valorização da oralidade, sendo guiada por tradições locais ou próprias de uma determinada cultura, ocorrendo em espaços não escolares”, diz o autor. Ele acrescenta que presente, passado e futuro se interligam nos rituais das rodas de samba, numa relação marcada pela memória e ancestralidade.

Na pesquisa, o músico presenciou as reuniões e entrevistou as lideranças para investigar a motivação, a origem e a organização dos grupos. “Queria entender até que ponto os integrantes tinham a consciência e a intenção de transmitir a memória do samba. Eles se preocupam em mostrar o negro no papel de formador de uma cultura, neste momento em que a referência, para um menino da favela, é o pagodeiro ou o jogador de futebol numa posição de ascensão social, dirigindo um carro importado”.

Segundo Edu de Maria, os grupos escolhem o repertório a partir de vinis produzidos em sua maioria no período que vai da década de 1920 até a de 1970. Eles também colhem depoimentos de antigos sambistas, ouvindo suas histórias e buscando músicas que nunca foram gravadas. “A roda de samba tem quatro horas de duração, o que pede um repertório enorme, que faz parte do patrimônio do samba brasileiro. Muita coisa inédita é cantada nas rodas”.

Som acústico – A apresentação dos grupos é totalmente acústica e o Morro das Pedras, por exemplo, chega a reunir quase trinta integrantes sentados em roda, sendo que todos precisam conhecer as músicas. “O fato de todos cantarem juntos dá uma força muito grande à manifestação. O nome do compositor é sempre citado na roda e, quando possível, conta-se a história e o contexto em que a música foi feita. É um trabalho de pesquisa e de troca para que o conhecimento seja socializado”.

O público é atraído aos eventos por meio da divulgação boca a boca. Em dias comemorativos, como no aniversário do Morro das Pedras, o ginásio chegou a receber mil pessoas. “O público entende a proposta e assiste à apresentação concentrada. São raras as interrupções por causa de ruídos na platéia”.

A formação dos grupos de roda de samba também é eclética, diferentemente de movimentos como o funk, o rap e o hip hop, claramente voltados para determinado estrato social. Nas rodas juntam-se crianças e idosos, universitários e gente da comunidade. “Geralmente, os líderes são aqueles com maior escolaridade, que acabam descobrindo o papel social dessas manifestações. Mas o papel dessas lideranças é definido também por uma vivência anterior, seja numa escola de samba, seja numa folia de reis”.



Samba rural paulista


Foi Mário de Andrade quem cunhou a expressão “samba rural paulista”, na década de 1930, a partir das festas de Bom Jesus de Pirapora, que concentravam grupos vindos de diversas regiões do Estado, inclusive da capital. Muitas daquelas manifestações, que seus praticantes chamavam de sambas de roda ou de batuques, originárias principalmente das fazendas de café, acabaram reproduzidas no meio urbanizado.

Em sua dissertação, o músico Edu de Maria questiona se não é preciso relativizar a abordagem do samba como sendo uma prática prioritariamente do Rio de Janeiro, onde o gênero realmente nasceu no asfalto e se transformou na manifestação urbanizada que conhecemos hoje. “A partir do Estado Novo de Vargas, o samba foi manipulado ideologicamente, sendo inserido nas ondas do rádio como gênero capaz de contribuir para a construção de uma identidade nacional”.

Citando o sambista Osvaldinho da Cuíca, o autor do trabalho ressalta que outro fator, a forte repressão sofrida pelo negro na sociedade paulistana, contribuiu para apagar do samba paulista muito de suas características regionais. “Além disso, o samba carioca teria encontrado melhores condições de se manter e de transmitir sua memória, difundindo-a por todo o país, em função de a cidade ter sido sede do Império e, depois, capital na República”.

Fundo de quintal – Chegando ao período mais recente, no capítulo “Do samba maxixado ao pagode”, Edu de Maria conta como o grupo Fundo de Quintal, cujas raízes estão nas rodas de samba do bloco Cacique de Ramos, também acabou absorvido pela mídia. “Na década de 80 houve a aproximação de pessoas envolvidas com os meios de comunicação, como Beth Carvalho, a ‘rainha do samba’, que gostou do jeito diferente de tocar do Fundo de Quintal e praticamente adotou o grupo”.

Na opinião de Edu de Maria, o Fundo de Quintal criou uma nova estética do samba, recorrendo, por exemplo, ao repique de mão. “É uma sonoridade fácil de captar em estúdio, assim como o tantam, que substitui o surdo de marcação. Naquela época, tudo o que se gravava de samba tinha o acompanhamento do grupo”.

Foi neste cenário que começaram a surgir os núcleos de resistência paulistas, reunindo as pessoas em torno do samba de tradição. Entre os principais estão o Morro das Pedras, o Nosso Samba e o Samba da Vela. “Esses grupos surgem não para pensar o passado como algo congelado, mas para recriá-lo, retomando uma trajetória que foi drasticamente alterada nas décadas de 70 e 80, com a influência da indústria cultural”.


terça-feira, 2 de junho de 2009

A Magia do Violão


Publicado na



Por CECÍLIA PRADA



Do popular ao erudito, ele fez história na música brasileira


Quando o major Policarpo Quaresma, homem respeitável e respeitador, saiu pela primeira vez de casa empunhando um violão para tomar aulas, foi um escândalo só, cochichado de porta em porta no pacífico bairro carioca em que morava, naqueles tempos do governo de Floriano Peixoto. Era também o sintoma do triste fim que o personagem teria, no romance de Lima Barreto. Nacionalista ferrenho, o major tinha suas razões para adotar o instrumento – considerava o violão a mais autêntica expressão da alma brasileira.

O que de nenhum modo seria possível prever, naquela época, é que o violão, de obscuras origens, realmente tomaria ruas e salões e passaria da atmosfera dos botecos e vielas às salas de concerto. E que tanto na MPB como na música erudita brasileira, meio século mais tarde, já começaria a se impor internacionalmente, pelo brilhantismo de seus intérpretes e compositores.


Um pouco de história


O modelo do violão moderno só foi criado nos últimos anos do século 19 pelo luthier espanhol Antonio Torres e vem sendo aperfeiçoado ou modificado pelas exigências dos grandes instrumentistas. Para Andrés Segovia, por exemplo, foram construídos modelos com uma caixa acústica maior – origem do instrumento que hoje é usado nos solos com orquestra sinfônica.

No entanto, pesquisas arqueológicas e estudos como o de Isaías Sávio, publicado em 1964, mostram que já na Antiguidade havia instrumentos rudimentares, parecidos com o violão, e que foram encontrados entre os hititas – povo que viveu na Síria setentrional por volta de 1900 a.C. E também na Babilônia e no antigo Egito.

Na Idade Média a guitarra, antecessora direta do violão moderno, já era muito difundida na Europa, e em fins do século 14 era usada até nas catedrais inglesas, francesas e espanholas. No século 17 ganhou bastante espaço na França, onde chegou a ser o instrumento predileto do rei Luís XIV. Compositores como Jean-Baptiste Lully (1632-1687) já escreviam para o instrumento. No período barroco, foi a Itália o centro da música guitarrista. Nos séculos 18 e 19 seu uso expandiu-se na capital da música da época, Viena, e Franz Schubert, que se dizia pobre demais para comprar um piano, fez muito uso da guitarra e compôs para ela. O grande virtuoso do violino, Niccolò Paganini (1782-1840), era também exímio guitarrista.

Mas foi na Espanha que se desenvolveu a grande escola de composição e técnica de Francisco Tárrega (1854-1909), cuja influência ainda se faz sentir até hoje, quer na escola espanhola quer na de três países da América do Sul: Brasil, Uruguai e Argentina – seus discípulos Andrés Segovia (1894-1987) e Miguel Llobet (1875-1938) aqui estiveram várias vezes, até por períodos prolongados, e influenciaram de maneira relevante a história do violão nesses países.

Segovia, ainda presente na memória de todos, pois viveu quase cem anos, excursionou por todo o mundo e teve toda a sua obra gravada. Em todos os lugares estimulou músicos a compor para o instrumento – entre eles Heitor Villa-Lobos e, numa outra geração, Turíbio Santos, no Brasil.


Do boteco à sala de concertos


É controversa ainda a história de como, exatamente, o violão teria chegado ao Brasil (ver texto). A maioria dos historiadores da música dá a sua chegada com os portugueses. Mas parece que de Portugal só nos veio realmente a viola, bem mais primitiva e diferente do violão atual – e que ainda permanece na música caipira do interior do país.

O certo é que durante todo o século 19 o violão foi considerado no Brasil um instrumento "vulgar", essencialmente popular, apropriado somente para acompanhamento. Mas já nas primeiras décadas do século 20, alguns precursores tentavam introduzi-lo como instrumento solista. Os pesquisadores Paulo Castagna e Gilson Antunes, em artigo publicado em "Cultura Vozes" (nº 88, janeiro-fevereiro de 1994), citam a crítica do "Jornal do Commercio" do Rio de Janeiro, de 1916: "Debalde os cultivadores desse instrumento procuram fazê-lo ascender aos círculos sociais onde a arte paira" . Em outra ocasião: "A guitarra nasceu para o fado e o violão para a modinha. Uma e outro jamais lograrão alcançar a perfeição sonhada pelos seus cultores apaixonados ... As regiões da música clássica não lhes são propícias".

No entanto – ainda segundo Castagna e Antunes –, alguns meses mais tarde, no mesmo ano de 1916, a opinião do crítico do jornal mostrava uma mudança radical. O violão passa, subitamente, de primo pobre e malvisto a primo rico. E firma-se como um emergente, como se diria hoje.

O que se passava, na época, nos bastidores da vida cultural do país, em relação à música de violão? A resposta é fácil – a sociedade despertava para as possibilidades do instrumento, divulgadas especialmente pela grande turnê do paraguaio Agustín Barrios, que culminou nas apresentações triunfais no Teatro Municipal de São Paulo em 1917, e também pelo talento e pela originalidade da artista espanhola Josefina Robledo. No próprio país começavam a impor-se personalidades musicais como Catulo da Paixão Cearense (1863-1946) – autor de Luar do Sertão, peça obrigatória até hoje nas exibições corais –, que se orgulhava de ser "o introdutor do violão na alta sociedade".

Incorporando a tradição da música popular e conduzindo-a ao status de arte culta, vários instrumentistas e compositores brasileiros da primeira metade do século 20 nos deixaram um legado precioso – como João Pernambuco (João Teixeira Guimarães), Rogério Guimarães, provindo de abastada família campineira, e principalmente Canhoto (Américo Jacomino, 1889-1928) e Dilermando Reis (1919-1977).

Não se sabe exatamente onde Canhoto teria nascido. Alguns autores dizem que ele nasceu na Itália, outros, em São Paulo. Ele tinha uma maneira toda própria de tocar e já nos anos de 1912 e 1913 gravava 12 discos pela Odeon. Apresentava-se continuamente como solista ou com um conjunto próprio que incluía clarinete, trombone e cavaquinho. Foi chamado de "O Rei do Violão" e gozou de imensa popularidade, pois apresentava-se até nos cinemas, acompanhando o filme – como era moda naquela época do cinema mudo.

Quanto a Dilermando Reis, ganhou fama atuando no rádio, de 1935 até o final da década de 60. Influenciou todo o povo e nos deixou mais de 300 composições gravadas, até hoje obrigatórias no repertório do gênero. O violonista Turíbio Santos, que é filho de seresteiro, costuma contar com orgulho que iniciou sua carreira tocando valsas de Dilermando Reis. O mais interessante é que Dilermando, artista tão consagrado, não conhecia música. Tocava e compunha "de ouvido".

O violonista e historiador Genésio Nogueira, no livro Sua Majestade o Violão (citado por Francisco Araújo), estabelece um ousado paralelo entre as figuras de Dilermando Reis e Andrés Segovia: "... para o mundo, encontraremos um substituto para Segovia, mas para o Brasil Dilermando Reis é insubstituível".


"Merece uma estátua"


É o que se diz, unanimemente, do músico e professor Isaías Sávio, o introdutor do ensino do violão clássico nos conservatórios brasileiros. Nascido no Uruguai em 1900, foi aluno de Miguel Llobet, o grande discípulo e continuador da obra de Francisco Tárrega. Em entrevista à revista "Visão" (8 de novembro de 1976), dizia Sávio: "Quando aqui cheguei, em 1931, ninguém tocava violão por música, não havia programas, não se publicavam músicas. Canhoto era o grande violonista da época, mas nunca se falara em violão clássico".

Sávio criou a primeira cadeira de violão no Conservatório de São Paulo, organizou currículos, formou os melhores profissionais do país e permaneceu como professor e pesquisador até sua morte, em 1977. Dele disse o grande violonista Antônio Carlos Barbosa Lima, de renome internacional: "Todo violonista no Brasil, direta ou indiretamente, tem influência do Sávio, porque ele foi o pioneiro, o desbravador do violão no Brasil".

É claro que, nesse quadro que analisamos, a figura de Villa-Lobos (1887-1959) ressalta pela excepcionalidade – já em 1912 ele escrevia a primeira partitura para violão clássico no Brasil, a Suíte Popular Brasileira, seguida na década de 20 pelos Doze Estudos Dedicados a Segovia, pelos Cinco Prelúdios para Violão e pelos Choros – entre outras peças. Mas sua obra foi sempre mais divulgada no exterior, na Europa e nos Estados Unidos, mais preparados, na época, para a sua genialidade. A partir da Semana de Arte Moderna de 1922, o compositor se voltou para a pesquisa do folclore brasileiro, conviveu com o povo e conseguiu integrar de forma única as duas vertentes culturais – européia e sul-americana – a que pertencia.

Com o desenvolvimento de toda uma geração de violonistas brasileiros – na maior parte formada também no exterior –, a música de outros compositores que escreveram para o violão, como Edino Krieger, Marlos Nobre, Francisco Mignone, José Antônio Resende de Almeida Prado, pôde rapidamente atingir, durante as décadas de 60 e 70, fama internacional.



MPB pede passagem

Amantes da música se reúnem por prazer


A recriação de uma Rua do Choro bem no coração da "cracolândia" – o bairro da Luz, no centro de São Paulo – desde o final do ano passado recebe o apoio oficial do governo do estado e faz parte do plano geral de recuperação da região central da cidade. Um plano que foi iniciado com a criação da Sala São Paulo, atual sede da Orquestra Sinfônica Estadual, na antiga Estação Júlio Prestes, e com a reforma da Pinacoteca do Estado. E que vai prosseguir com a fundação de um centro cultural e escola de música no edifício projetado por Ramos de Azevedo que por muitos e inglórios anos abrigou o antigo Dops, e com a restauração, já em curso, da Estação da Luz.

Após marcar presença na Rua João Moura, em Pinheiros, de 1983 a 1989, com espetáculos de arromba que reuniram sempre os mais famosos músicos e cantores do gênero, os "chorões" paulistanos haviam se dispersado pela cidade, seguindo bem a característica do estilo. Como dizia Jacó do Bandolim, afinal o choro devia ser executado na informalidade, na roda de amigos, no quintal da casa. Em um fim de semana, à tarde, com os músicos chegando, de pijama até, reconhecendo os companheiros, introduzindo os novatos, se esquecendo madrugada adentro no improviso e na amizade.

Mas, durante esse tempo todo, um lugar na cidade abrigou chorões, sambistas, pagodeiros, cantores – e o seu público. Um local tradicional, um nome que é passado de boca em boca e valorizado por amadores e profissionais – a loja de instrumentos musicais A Contemporânea, na Rua General Osório, número 46. A rua que passa a ser também, de ora em diante, a Nova Rua do Choro.

Fundada há 48 anos por Miguel Fasanelli, que é também fabricante e exportador de instrumentos, a loja há várias décadas se tornou ponto de encontro obrigatório de instrumentistas e cantores. Diz Fasanelli: "Logo depois da inauguração, em 1954, os músicos foram chegando e dando canja. Aqui ninguém paga para assistir, ninguém ganha para tocar. Todos os músicos famosos passaram por aqui, os maiores nomes. O pessoal do Rio de Janeiro sempre vem aqui. Cartola foi um dos primeiros, sempre vinha sem violão, pegava um emprestado e ficava tocando. Assim como outros nomes: Zeca Pagodinho, Martinho da Vila, Beth Carvalho, Jacó do Bandolim..."

Os retratos que cobrem as paredes atestam com seus autógrafos, estabelecem um diálogo de classe entre músicos, amantes do samba, do pagode, de tantos gêneros. Nos fundos da loja, um espaço fechado de uns 20 metros quadrados, com uma parede de vidro que lhe dá jeito de aquário, abriga todos os sábados a confraria musical. Bandolins, cavaquinhos, violões, flautas, pandeiros... o que houver. Os músicos começam a chegar logo cedo. "Há gente que espera desde as sete e meia que a loja abra, o que acontece às nove", diz Fasanelli. Cumprimentam-se com grandes abraços, extravasam a saudade dos que há muito não se revêem, uma fraternidade. Se aboletam, se revezam, a música não pára, para júbilo da platéia, que se acomoda como pode nos bancos de madeira ou de pé. Os que não cabem no espaço exíguo ficam de fora, olhando pelo vidro. "Não quero ampliar esse espaço para não perder o clima íntimo", explica o dono da loja.

Temos a impressão de estar numa pequena nave que nos leva a tempos remotos e românticos. Com a chegada, obrigatória, de Arnaldinho do Cavaco, pulsam sambas, choros, serestas. No decorrer da manhã aumenta a platéia, vão chegando conjuntos, logo será a hora do pagode, na rua, em torno de uma mesa. O conjunto Clube do Pagode, sacudindo tamborins, cantando músicas "do tempo da escravidão" – coisas antigas, persistentes, preservadas, de compositores famosos. Como explica o músico Caçula, abrindo um sorriso largo na face: "A gente vai defendendo a música brasileira. A televisão não deixa, mas a gente faz o que pode".

Para os que têm fome e são chegados a uma boa feijoada, é só atravessar a rua para se fartar no Restaurante Première. Na rua animada, o samba de raiz pede passagem, lá por volta das 14 ou 15 horas. Visitantes de longe se animam e exibem passos de dança – como Vera Soares, de 55 anos, veterana da Mangueira, que vem do Rio para sambar em São Paulo. Fasanelli e os sobrinhos Sérgio e Roberto Guarilha, que trabalham com ele, passam entre os vários grupos, apresentações são feitas – "Você conhece o Adãozinho, que jogava no Corinthians?"

Antes, no final do expediente da loja, o samba era transferido para o bar e não tinha hora para acabar. Agora, a partir das 16 horas começa a fremir a música pelos alto-falantes do grande palanque armado pela Secretaria Estadual de Cultura. Na Rua do Choro, recuperada, a multidão vai se reunindo, animada, e a MPB triunfa, como uma demonstração de criatividade, alegria e espontaneidade do povo brasileiro.